(77) 3455-2318 | (77) 3455-2272

Tem dúvidas se deve ou não declarar o Imposto de Renda 2017?

Tem dúvidas se deve ou não declarar o Imposto de Renda 2017?

Se você está em dúvidas se deve ou não declarar o Imposto de Renda 2017 se ligue nas orientações que preparamos abaixo e veja em qual delas você se encontra.

O Governo criou uma tabela com os valores de rendimento mínimo para que o cidadão possa se certificar se enquadra em tal faixa dos declarantes obrigatórios ou não do IPRF 2017, esse rendimento deve ser declarado anualmente. Nesse ano de 2017, a tabela do IRPF 2017 não foi reajustada, o que representa uma perda real para o trabalhador, que em geral, terá de pagar mais impostos, mesmo com o seu poder aquisitivo não tendo subido no último ano. Veja abaixo a tabela:

Tabela do Imposto de Renda 2017

Base de cálculo (R$)

Alíquota (%)

Parcela a deduzir do IRPF (R$)

Até 22.847,76

Isento

Isento

De 22.847,77 até 33.919,80

7,5

1.713,58

De 33.919,81 até 45.012,60

15

4.257,57

De 45.012,61 até 55.976,16

22,5

7.633,51

Acima de 55.976,16

27,5

10.432,32

*Consideram-se, para efeitos de contribuição, os rendimentos do ano-calendário de 2016.

Confira abaixo a tabela de contribuições com as alíquotas mensais de pagamento do imposto incidente sobre os rendimentos mensais do trabalhador assalariado.

O valor recolhido do imposto de renda 2017 tem como objetivo ser usado para a realização e investimento de melhorias públicas, tais como esporte, desenvolvimento social, educação, saúde e em diversas obras voltadas a infraestrutura de ruas, avenidas e estradas.

O que se nota no geral é que apesar de existir recolhimento para isto, não há melhorias nos serviços públicos, inclusive na saúde e educação que anda cada vez mais precária.

Porém; a mentalidade do cidadão brasileiro está mudando, e estamos tendo coragem de reivindicar nossos direitos e de tomarmos atitudes de cobrar das autoridades eleitas o destino de todos os impostos e recolhimentos.

Um dos direitos que você já pode cobrar é a restituição do seu IR 2017, caso já tenha contribuído este ano e teve rendimentos retidos na fonte. As restituições correspondem a valores de impostos pagos retidos na fonte a maior do que o que o trabalhador realmente teria de contribuir. Para saber se você tem direito, acesse o site da Receita Federal e saiba se você tem direito a receber as restituições do leão.

Para fazer a simulação do imposto de renda basta acessar o site da receita federal através deste link www.receita.fazenda.gov.br/ aonde irá informar todas as informações solicitadas, uma coisa importante que você precisa saber é que só é possível fazer a simulação do imposto de renda 2017 com base no ano de 2016.

declaração do imposto de renda 2017 já pode ser feita através do site da Receita Federal á partir de hoje dia 01 de março e vai até o dia 28 de abril. Para não ter erro nem perder tempo, confira abaixo o passo a passo:

  1. Primeiro você deve fazer a separação de todos os seus documentos que são exigidos para que faça a declaração do imposto de renda 2017, tais documentos como comprovante de rendimentos todas as fontes de rendimento devem ser declaradas, como salários, aposentadorias, alugueis e outros investimentos, informe os comprovantes de compra de bens, tais como imóvel ou carro.
  2. Após essa primeira etapa acesse o site da receita federal e faça download de um programa na própria pagina chamado de Gerador de Declaração, conhecido também como PGD.
  3. Preencha todos os dados e informações solicitadas, escolha o tipo de declaração que é dividida entre simplificada e completa, a próxima é última etapa e o envio da documentação é rápido, simples e fácil.

Portanto; se após obtiver todas as informações do passo a passo acima ainda lhe restar dúvidas ou tiver dificuldades. Peça ajuda a um contador mais próximo para que faça seu imposto de renda, mas lembre-se que assim como a declaração é obrigatória e importante, cobrar nossos direitos também é muito importante e de responsabilidade nossa como cidadão.

Fisco vai passar a monitorar transações bancárias mensais acima de R$ 2 mil de pessoasl físicas, e R$ 6 mil de empresas.

As garras do Leão estão mais afiadas. A partir deste ano, os bancos terão de informar à Receita Federal qualquer movimentação financeira mensal acima de R$ 2 mil feita por pessoas físicas. No caso das empresas, o valor será de R$ 6 mil. Com esses dados, o Fisco vai cruzar informações, para verificar se há compatibilidade com os dados apresentados na declaração do Imposto de Renda ou com a movimentação do cartão de crédito. A determinação consta da instrução normativa (IN) 1.571 e já é alvo de polêmica. A IN tem amparo na lei complementar (LC) 105/2001, que está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal (STF). Ações diretas de inconstitucionalidade (Adins) argumentam que a lei infringe o direito ao sigilo de dados, garantido pela Constituição. Para tributaristas ouvidos pelo GLOBO, seria coerente que o STF decidisse a favor dos contribuintes.

— O sigilo bancário só pode ser quebrado mediante uma decisão judicial, em casos específicos em que há algum tipo de investigação — afirmou a advogada Claudia Petit, especialista em direito tributário do Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados.

Fernando Zilveti, tributarista e professor da Fundação Getulio Vargas de São Paulo, concorda que o envio à Receita de informações sobre movimentação financeira configura quebra de sigilo bancário sem decisão da Justiça.

— Somente um juiz pode determinar a quebra do sigilo bancário e em casos em que o contribuinte está sendo investigado, por exemplo. A instrução da Receita não pode mudar a Constituição — disse Zilveti, acrescentando que a Receita receberá uma quantidade absurda de informações, já que o valor para pessoa física é baixo (R$ 2 mil).

De acordo com informações constantes do site do STF, há três Adins referentes à LC 105. Elas são de autoria da Confederação Nacional do Comércio (CNC), do Partido Social Liberal (PSL) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Pois é, meus caros. Eis o que está acontecendo, de forma resumida: um “partido” de esquerda, que mais parece uma quadrilha, chegou ao poder e tomou o estado de assalto. Além de roubar muito, expandiu os gastos públicos para alimentar muitas boquinhas de companheiros. Com sua incompetência e ideologia retrógrada, destruiu a economia e, com ela, as finanças do governo. Quebrou o Brasil e enriqueceu seus camaradas, eis o resumo.

E agora quer usar a crise que ele mesmo causou para avançar ainda mais sobre nossas liberdades, sobre nossos bolsos. Cada operação de singelos R$ 2 mil por mês, que a inflação de Dilma faz parecer cada vez menos dinheiro, será notificada aos tecnocratas da Receita. O governo vai acumulando mais e mais informação sobre nossas vidas, sobre montantes pequenos que transacionamos.

A gula do Leão é insaciável, e ele quer mais impostos, mais receita, já que é você, o otário “contribuinte”, quem deve arcar pelas trapalhadas dele, governo. Falar em corte drástico de gastos públicos, em demissão de servidores encostados, em privatização, em redução de impostos para que mais dinheiro sobre nas mãos de quem o produziu, isso é algo inimaginável quando se trata do PT, da esquerda. Portanto, pode preparar a carteira e pode dar adeus à privacidade: o Grande Irmão está de olho em você, em tudo que você faz, e quer abocanhar mais ainda do que você produz. Viva a esquerda! Viva o PT!

Fonte: www.rodrigoconstantino.com